carregando...

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1 de junho de 2021

ASCOM SEMUSA

Titular da Semusa se reúne com servidores da Divisão de Controle de Endemias

O titular da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), Ivo da Silva, se reuniu com cerca de 30 servidores da Divisão de Controle de Endemias de Ji-Paraná. O encontro foi realizado na manhã desta terça-feira, 1º de junho, no auditório da Semusa.

A reunião foi realizada para avaliar as ações contra a dengue que estão sendo promovidas pela Divisão de Controle de Endemias, além traçar os próximos passos no combate ao Aedes aegypti, mosquito vetor da dengue e de outras doenças, como zika vírus, febre amarela e chikungunya.

“O trabalho prestado pelos servidores da Divisão de Controle de Endemias é imprescindível para a Saúde de Ji-Paraná. A determinação do prefeito Isaú Fonseca [MDB] é que o foco, nesse momento, seja na saúde. Além da pandemia da Covid-19, temos que controlar os criadouros do Aedes aegypti, para que a dengue não seja mais uma dor de cabeça. Por isso, em nome do prefeito Isaú e da Semusa, quero agradecer a todos servidores da Divisão de Endemias, pelo excelente trabalho prestado ao município”, ponderou Ivo da Silva.

Até o fim de maio, Ji-Paraná registrava 161 notificações, com 27 casos confirmados de dengue. O número está dentro do que é esperado para essa época do ano, porém o alerta segue ligado, para evitar um possível surto da doença na cidade.

“Temos que tomar muito cuidado, quando se trata do Aedes aegypti. Não podemos relaxar, devemos eliminar os pontos com água parada, para que o mosquito não se prolifere nesses locais”, afirmou Maria Edenite Barroso, diretora-geral do Hospital Municipal Dr. Claudionor Couto Roriz.

Com o fim do Inverno Amazônico, período chuvoso na região Norte do Brasil, a chegada da época de seca e calor também inspira cuidados com os pontos de proliferação do mosquito da dengue, já que o inseto pode se reproduzir nos menores reservatórios de água, como tampinhas de refrigerantes e até cascas de ovos.

“Não podemos nos esquecer dos perigos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, principalmente a dengue. Atualmente, alguns municípios de Rondônia já estão com risco de surto de dengue e temos que lutar para que isso não aconteça aqui na nossa cidade”, garantiu Samuel Antônio dos Santos, supervisor geral de atividades de campo da Divisão de Endemias.