carregando...

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

13 de maio de 2022

ASCOM GABINETE SEMASF

Campanha Faça Bonito realiza Dia D com caminhada em Ji-Paraná

São 22 anos realizando ações de combate ao abuso e exploração sexual

 

A Campanha de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes -Faça Bonito, realiza o “Dia D” com uma caminhada comemorativa no dia 18 de maio. São 22 anos realizando ações preventivas e de políticas públicas para sensibilizar e mobilizar a sociedade.

O evento é organizado pela Prefeitura de Ji-Paraná, por meio das secretarias municipais de Assistência Social e Família (Semasf) e de Educação (Semed), em parceria com o Ministério Público (MP) de Ji-Paraná, pelo setor do Grupo de Atuação em Defesa da Infância e Educação (Gaeinf), e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).

A caminhada vai partir da sede do MP, às 8h da manhã, na avenida 6 de Maio, no bairro Urupá (1º distrito) com destino à Praça da Bíblia, na avenida Marechal Rondon (centro), com a participação de crianças das escolas municipais e estaduais. O trajeto será enfeitado com flores, símbolo da Campanha Faça Bonito.

As ações preventivas ocorreram em escolas de Ji-Paraná, com a participação de mais de 2 mil estudantes da rede pública e de assistidos pelas unidades do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Roda Moinho, Morar Melhor, São Francisco e Jardim dos Migrantes.

O objetivo foi de ajudar crianças e adolescentes ji-paranaenses a identificar abusos físicos, psicológicos e sexuais, e também incentivá-los a denunciar e a quem denunciar. O Maio Laranja é marcado por ações que intensificam o combate à violência que ocorre, principalmente, com crianças e adolescentes por serem vulneráveis.

Para o diretor da Proteção Social Especial da Semasf, Gilson Lopes Soares, o importante é entender que a violência sexual contra criança e adolescente, infelizmente, existe e é preciso conscientizar a sociedade para que haja a prevenção.

“O objetivo da campanha é dar visibilidade aos serviços ofertados e acessos aos direitos, além de cuidar das vítimas e possibilitar que elas tenham uma vida menos traumática, sem contar que através das denúncias é possível que haja a responsabilização dos abusadores, evitando novos abusos”, lembrou.